quarta-feira, maio 9

El Principe

Uma das vantagens de ter um blogue, é podermos escrever quase tudo o que nos apetece. Assim, sendo, com os meus pedidos de desculpa aos mais sérios leitores, cá vai:








Recebeu o príncipe a notícia pela sua prima:

A senhora dos seus sonhos concordara em recebê-lo!

Ficou o príncipe de tal forma entusiasmado que largando a correr em passada larga pelos corredores do castelo aos gritos de "Viva Portugal", deu início a um processo que viria a figurar em todas as crónicas do Reino: El Príncipe, louco de alegria e correndo como se de um dragão fugisse, passou em frente dos aposentos do Conde Alberto, seu primo, que numa tentativa de descobrir finalmente o que o impedia de dormir, tinha posto o pote com as noctívagas excrescências do lado de fora da porta. Azar do príncipe que no êxtase das comemorações, no nauseabundo objecto tropeçou, espalhando o conteúdo à sua volta com particular incidência nos reposteiros novos, chegados de Inglaterra à bem menos de 15 dias.

Sem alterar a sua marcha, continua, no entanto, el Príncipe correndo em direcção aos seus aposentos. Estando sem telefone, por via da brutal trovoada que se abatera sobre a cidade, mandou um guarda chamar o pajem. Entretanto rabiscou com a sua pena o seguinte texto:

Creia-me, Senhora, o mais feliz dos homens, desde que fui informado do seu assentimento. Aguardo, com inusitada ânsia, que me dê a conhecer quando a poderei visitar. Entretanto e em sinal do meu agradecimento, peço-lhe que aceite o portador desta missiva para seu uso próprio. Sem mais Seu Príncipe...

Lacrou e entregou a mensagem ao pajem a quem recomendou mil cuidados. Disse-lhe ainda que fizesse tudo o que a donzela lhe ordenasse e que limpasse o seu recanto de todos os seus pertences. Ofereceu-lhe ainda, como prémio, dois bilhetes de avião para terras do Brasil, sem data para que ali se deslocasse quando a senhora o libertasse, com quem achasse por bem. Disse-lhe ainda "Leva o Renault".

Lá foi o moço, cumprir a ordem, evitando a algazarra em frente do quarto do Conde Alberto, onde a Rainha e o médico insistiam que devia o Conde deslocar-se quanto antes às termas pois era agora óbvio por todo o palácio que algo com ele não estava muito bem.

Passou ainda pela cozinha onde diversos criados se preparavam para iniciar a confecção do próximo repasto. "Meninos, ponham menos duas pernas de carneiro que eu não almoço e garanto que D. Alberto vai entrar em dieta"... Logo, Mariana, a criada preferida do azarado e doente senhor, se precipitou para o telemóvel, tentando saber o que se passava. O pajem chegou finalmente ao seu quarto, recolheu seus pertences (ia esquecendo o rolex e os rayban), passou na portaria onde pediu ao mordomo as chaves do Renault e disse-lhe: "Juvênál, eu não devo voltar, mas vais ver que o Guimarães sobe à primeira, não te enerves com isso".

Disto isto, pôs-se a caminho da casa de D. Venância (o amor do príncipe). Chegando bem rápido, pois indo como portador de mensagem real, não parou em nenhum semáforo, bateu violentamente na grande porta da Senhora. Ela veio abrir, voluptuosa como era costume e sorriu. Ele logo lhe disse: "Vês Venância? Eu disse-te que não nos daria ouro, mas algo já usado! Agora como vamos levar o Renault para o Brasil?"

8 comentários:

rascunhos disse...

AH AH AH AH AH

até eu me passei de tanto rir

5 stars


bj

Margarida Atheling disse...

Passaste-te pois!
E eu fartei-me de rir à conta disso! :D

Bjs!

antónio paiva disse...

................

o delírio é absoluto

quem disser o contrário é bruto.

anda castiga-me mais com a tua escrita, não tenhas piedade.

isso força bate nos neurónios dos incautos.

:))))

vou-me rindo e sorrindo

................

Noite serena

Canochinha disse...

Adorei os anacronismos :)

Alecrim disse...

LOL

malu disse...

Ontem não consegui parar de rir e por isso nem comentar eh eh eh eh (ai tu!) Que melhor maneira para começar o dia? Obrigada pelos teus castigos!! :')

Beijo!

Xico disse...

Acho que anda a ver muitas telenovelas à noite...

foryou disse...

lol

fantástico!