terça-feira, dezembro 20

Ponto de encontro

Vejo pouca televisão. Vai perdendo qualidade ou sou eu que a prefiro procurar noutros sítios. Lembrei-me no entanto de um programa que me deixou saudades: O “Ponto de encontro” da sic. Vá lá, riam-se! Mas gostava de ver. De uma forma completamente diferente dos ditos “reality shows” de hoje, ali eram expostos, sentimentos verdadeiros, de uma forma pouco ou nada trabalhada. As pessoas queriam reencontrar-se, o canal de tv, proporcionava-lhes isso, e nós espreitávamos.
Eram lágrimas verdadeiras, feitas de lembranças, de ausências, de sofrimentos prolongados. Pode-se discutir o nosso gosto em entrar na intimidade dessas pessoas, mas não a utilidade do seu resultado. Porque sou como sou, gostava de ver aquilo. E até o papel do apresentador, Henrique Mendes, era fabuloso. Calmo, amigo, cúmplice, verdadeiro.
Nos tais “shows de famosos” de hoje, os sentimentos são explorados, aprisionam-se as pessoas, para que do seu forçado e intenso contacto contra-natura, surjam episódios emocionais, frutos do desequilíbrio dos intervenientes e ou das situações.
Além disso, temos a Júlia Pinheiro e a Teresa Guilherme. Peritas a falar com animais de diversas espécies, são elas próprias aves de rapina dos tais sentimentos provocados.
Se por um momento conseguirmos imaginar a Teresa Guilherme a apresentar o Ponto de Encontro, ser-nos-á fácil ouvi-la: “Então, D. Rosa, já não via o seu irmão vai para trinta anos, mas isso agora não interessa nada…Mas diga-me, nesse tempo todo quantos parceiros sexuais teve?”

7 comentários:

Ana disse...

Eu também via, confesso!!
E já agora
Um abraço neste ponto de encontro... com o Sr. Henrique Mendes!!!

Anónimo disse...

está na altura de comprares uma parabólica, mas esses sentimentos ficam-te bem... pronto, é o teu lado mais provinciano...

amie disse...

por acaso era isso mesmo!eu não via, mas reconheci várias vezes a utilidade do programa!Já para as estridentes apresentadoras não tenho a mínima paciência!doi-me a cabeça!

Maria Pedro disse...

Pela mesma razão que não consigo assistir à oferta de camélias efémeras, não consigo assistir a esse tipo de programas de televisão: um constrangimento insuportável...

izzolda disse...

Não vejo nenhum dos programas que referes. Mas reconheça-se, o ponto de encontro tinha o seu mérito por aproximar pessoas! Embora acabasse por comportar uma vertente de voyeurismo...
Quanto ao segundo grupo de programas, mais recentes, estridentes e de emoções fabricadas, não há paciência.

ivan (aka bandinho) disse...

nunca vi, nem vejo.. tenho a TV em casa a servir o leitor de DVD, mai nada... muito de vez em quando vejo as notícias.

/me disse...

Televisão? Que é isso?
A minha cada vez tem mais pó. :D