24/05/2006

Saudades de mim

Tenho saudades de mim,
Daquela que acordava luminosa,
Alegre, feliz e esperançosa,
que ao entardecer se entristecia,
E morria,
como o sol atrás do mar…
Tenho saudades do tempo
Em que tudo era uma batalha,
E eu fortemente lutava
Por um ideal sem fim…
Agora, que até podia,
Já não uso as minhas armas,
mas no começo dia,
falta-me aquela alegria
e tenho saudades de mim.

10 comentários:

Teresa Durães disse...

A distância entre o adulto e a criança...

xana disse...

No começo do dia,
veste as asas,
elas te deixam
em sintonia..
basta pensares...
elas levam-te para lugares
onde tens sempre alegria.

mil beijos, minha querida.

Clara L disse...

Amiga Leonor,

como eu te compreendo!

Muitos beijinhos sorridentes.

Anónimo disse...

adorei o poema. è muito sensível. Sinto o mesmo muitas vezes

cris disse...

Adorei o poema. É muito sensível. Sinto o mesmo muitas vezes

Anónimo disse...

Muito bonito

Lídia Amorim disse...

muito bonito o teu post* gostei imenso, parabéns! tb tenho mtas saudades de mim, por vezes... beijokas*posta mais coisas assim... visita-me*/

/me disse...

Hmm, isso será distanciamento entre o adulto e a criança, como diz a Teresa, ou entre ti e tu mesma?

Ou simplesmente cansaço, ou desilusão. Acontece tantas vezes.

Um beijinho carinhoso, se mo permites. :)

mar_e_sol disse...

Sempre ouvi dizer que é bom ter saudades quando se podem matar...saudades de ti, podes matá-las, é só querer!...Gostei do teu cantinho.

anrasaxa disse...

muito bom... revejo-me neste post..