sábado, junho 23

Parabéns Pai


Querido Pai,
Hoje quando a noite vier e o primeiro balão chegar ao céu, quero que saiba que é o meu. Vou deitá-lo ainda de dia, para ganharmos o concurso do primeiro a ver um balão de S. João. Se ele se incendiar, eu deito um foguete daqueles cheios de cores que fazem o céu ficar azul e verde, que fazem as bocas abrir-se de espanto e o coração encolher de medo.

Eu já não tenho medo pai, já não tenho medo dos foguetes nem dos balões, nem do cheiro a queimado, nem do barulho que me fazia estremecer.
Agora tenho medo de amanhã acordar e não ter o seu balão apagado no meu jardim, aquele que o pai me devolve todos os anos de madrugada, cheio de recordações que me fazem rir.

11 comentários:

joaquim disse...

Fico a ver o teu balão a subir, coloco a mão sobre os teus ombros e sorrio contigo.

Beijinhos

Pedaços de mim disse...

Muito bem escrito,

Muito bonito,

Adorei o blog,


Bj

:)

foryou disse...

Terás sempre o balão! Sempre! Enquanto o recordares!

Beijo, Leonor

Margarida Atheling disse...

Não creio que tenhas razão para ter medo, Leonor... acho que nunca te vai faltar!

Bjs!

Vilma disse...

:))

antónio paiva disse...

..............

Leonor,

que escreve assim, sabe do que sente!

.....................

Beijinhos, noite serena e boa semana

Klatuu o embuçado disse...

O Porto, de facto, oferta belos contextos para a literatura.

kurika disse...

Parabéns Leonor. O teu pai está orgulhoso do teu sentir e do teu escrever.

Miguel, um beijinho para ti.

Bjs aos dois

Agora de ressaca, não???

malu disse...

um beijinho é pouco Leonor, por esta carta tão bonita, mas lá vai ele :)

Um Momento... disse...

Belo...Simplesmente

............

(*)

NaRiZiNHo disse...

Li esta mensagem no dia em que escreveste Leonor.
Vi os balões no ar e lembrei-me deste texto.
Parabéns.
:-*